Sincades

Em 1997, foi fundada a Associação dos Distribuidores do Espírito Santo (ACADES), por um pequeno grupo de empresários do setor de atacado e distribuição, para promover o desenvolvimento do segmento no Estado, de maneira a fazê-lo assumir seu real papel na economia, seja na distribuição de bens de consumo ou na geração de empregos para o segmento.

 

O comércio atacadista e distribuidor tem um papel fundamental para o Estado, pois gera empregos e renda, sendo uma das molas propulsoras da economia capixaba. E, para representar o setor de forma legal, foi criado, em 2007, o Sindicato do Comércio Atacadista e Distribuidor do Espírito Santo (SINCADES), entidade de 1º grau, integrante do Sistema Confederativo da Representação Sindical do Comércio (SICOMÉRCIO), a que se refere o art. 8º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988, constituído para fins de estudo, coordenação, proteção e representação legal das categorias econômicas integrantes do 1º Grupo Sindical da Confederação Nacional do comércio.

 

São prerrogativas constitucionais e objetivos institucionais do Sindicato:


- Representar, no âmbito estadual, os direitos e interesses do comércio atacadista: autopeças, tecidos, vestuário e armarinho, material de construção, drogas e medicamentos, material elétrico, pedras preciosas, jóias e relógios, couros e peles, aparelhos e materiais ópticos, fotográficos e cinematográficos, bijuterias, maquinismos em geral, papel e papelão, sacaria, produtos químicos para indústria e lavoura, sucata de ferro, carvão vegetal e lenha, algodão e outras fibras vegetais, louças, tintas e ferragens, artigos sanitários, vidros planos, cristais e espelhos, minérios e pesquisas, na forma do estabelecido na Constituição Federal, Art. 8º, Inciso III;

- Eleger ou designar representantes da respectiva categoria, em órgão, colegiado ou empresa;

- Fixar a contribuição para o custeio do SICOMÉRCIO (contribuição confederativa – Art. 8º, Inciso IV, da Constituição Federal), devida por todos os integrantes da categoria econômica;

- Conciliar divergências e conflitos entre os associados, bem como promover a solidariedade e a união entre eles;

- Celebrar convenções e contratos coletivos de trabalho, e prestar assistência em acordos coletivos;

- Colaborar com os poderes públicos, como órgãos técnicos e consultivo, no estudo e solução dos problemas que se relacionem com a categoria econômica respectiva.